Pesquisa Conteúdo:
   
 
INSTITUCIONAL
Histórico
Diretoria
Conselho Fiscal
Conselho Deliberativo
 
SERVIÇOS
Artigos
Convênios
Galeria de Fotos
Aniversariantes do Mês
Jornal Plantão Fiscal
Recadastramento
Restrito
 

"Não há equívoco maior do que confundir homens inteligentes com sábios
Francis Bacon
Jornal

Jornal Plantão Fiscal (DEZ/FEV 2017)


Desde sua criação, em 1923, a previdência tem sofrido alterações periódicas para adequar-se à realidade de seu tempo. A demografia, as reivindicações sociais para ampliação de direitos, o crescimento ou a contração da economia são os fatores que mais influenciaram e continuam influenciando essas alterações.

Uma das maiores, ocorreu após a promulgação da Constituição Federal (CF) de 1988. A Lei Maior criou um sistema de proteção social englobando as áreas da Saúde, Assistência Social e Previdência Social, chamado de Seguridade Social, ampliando consideravelmente os direitos sociais da população em geral.

No que diz respeito, especificamente, à Previdência, foram ampliados, e muito, os direitos previdenciários dos trabalhadores rurais (até então vinculados ao Funrural, com poucos benefícios e cujos valores não superavam o salário mínimo e desobrigados de contribuição) ao ser estabelecido um único regime de previdência para todos os trabalhadores não vinculados a regimes próprios de previdência social.

A ampliação de direitos, também, ocorreu no acesso à pensão por morte, até então devida somente à esposa e ao marido inválido, mas que, por força de disposição constitucional, foi estendida ao cônjuge (homem ou mulher).

Para financiar essa nova rede de proteção social (com toda a ampliação de benefícios e serviços nas áreas da saúde, assistência e previdência) a CF estabeleceu que os recursos viessem de impostos (forma indireta) e de contribuições sociais (forma direta). Assim, foram criadas novas contribuições sociais (até então havia apenas a das empresas sobre a folha de salários e a dos trabalhadores) com a finalidade específica de financiamento da Seguridade Social:

Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins); Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL); contribuição sobre a receita de concurso de prognósticos; contribuição do importador de bens e serviços do exterior, ou de quem a lei a ele equiparar; a contribuição do empregador, da empresa, ou da entidade a ela equiparada sobre a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício; e contribuição do trabalhador e dos demais segurados da previdência social. Essas duas últimas contribuições, por terem destinação específica, são chamadas de contribuições previdenciárias. Para ajudar no equilíbrio financeiro da seguridade social, o legislador constituinte inseriu na CF um princípio (chamado de princípio da preexistência do custeio) estabelecendo que "nenhum benefício ou serviço da seguridade social poderá ser criado, majorado ou estendido sem a correspondente fonte de custeio total".

Esse princípio, contudo, foi descumprido ao longo dos anos nas três áreas da Seguridade Social causando aumento de despesas sem o correspondente aumento de receita. Para agravar esse quadro, no que diz respeito, exclusivamente, à Previdência Social, houve várias desonerações da folha de pagamento em diversos ramos de atividade, foram concedidas várias isenções e perdoadas inúmeras dívidas tributárias com programas de parcelamentos. Apesar de tudo isso, de acordo com dados fornecidos pelo próprio governo, chega-se à conclusão de que a Seguridade Social como um todo é superavitária. Por exemplo, a receita da Seguridade Social em 2015, considerando somente as contribuições sociais (e vale lembrar que parte dos impostos também deveria compor seu financiamento) foi de R$ 694 bilhões, ao passo que as despesas com saúde, assistência social e previdência social somaram R$ 683 bilhões.

Ocorre que o governo, amparado no art. 76 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, além de ter desviado 20% dos recursos da Seguridade Social para outras finalidades, desde o ano de 2000, ao fazer o cálculo do orçamento da Previdência Social computa somente as contribuições previdenciárias o que resulta um falso déficit.

É certo que a Previdência tem problemas e distorções que devem ser solucionados, mas antes de mexer nos direitos previdenciários o governo tem o dever de resolver as distorções criadas por ele mesmo em seu financiamento.

 
+ Jornal

ADEUS AO COLEGA ARISTEU - Faleceu neste sábado o colega e amigo Aristeu Penalvo Filho. O velório será das 10h30 às 17h no Angelus Memorial Cremató

Viagem ao Peru, com Festa do Sol Inti Raymi - Entre 20 e 30 de junho de 2019, os associados terão oportunidade de viajar ao Peru para conhecer algumas atrações turíst

Marcos Cintra é nomeado secretário da RFB - Foi publicado no Diário Oficial da União, desta quarta-feira (2/1), a nomeação de Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerqu

CLIPAGEM 27 DE DEZEMBRO 18 -

EXPEDIENTE DE FINAL DE ANO - A Agafisp não terá expediente nos dias 24 e 31, duas segundas-feiras que antecedem o Natal e Ano Novo.

+ Notícia

 
home | contato | localização | convênios
Rua Siqueira Campos 1171, 11º andar - Porto Alegre/RS - Telefone: (51) 3224-4355 - E-mail: agafisp@agafisp.org.br