Pesquisa Conteúdo:
   
 
INSTITUCIONAL
Histórico
Diretoria
Conselho Fiscal
Conselho Deliberativo
 
SERVIÇOS
Artigos
Convênios
Galeria de Fotos
Aniversariantes do Mês
Jornal Plantão Fiscal
Recadastramento
Restrito
 

"Só existem dois dias do ano em que não podemos fazer nada. O ontem e o amanhã.
Mahatma Ghandi
Jornal

MIGRAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. A MORA E AS CONSEQUÊNCIAS


Já faz quase 10 anos desde que a Lei nº 11.457, de 16 de março de 2007, unificou a Secretaria da Receita Previdenciária e a Secretaria da Receita Federal. Ao longo desse tempo, muitas dificuldades de natureza técnica e operacional decorrentes dessa unificação foram superadas e muitos problemas foram resolvidos pela então criada Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB. Uma pendência, contudo, permaneceu quase que intocável, podendo-se dizer até que praticamente “congelada” no tempo: a “migração” para o Ministério da Fazenda das folhas de pagamento de aposentados do cargo de Auditor Fiscal e de pensionistas do mesmo cargo que vinham sendo rodadas no Instituto Nacional do Seguro Social – INSS. Esse procedimento, de acordo com o que estabelece o § 4º do art. 10 da Lei Lei nº 11.457, de 2007, a seguir transcrito, já deveria ter sido feito há muito tempo: “Ficam transportados para a folha de pessoal inativo do Ministério da Fazenda os proventos e as pensões decorrentes do exercício dos cargos de Auditor-Fiscal da Previdência Social transformados nos termos deste artigo”. Embora o texto legal permita interpretar que a transposição (ou "migração") ocorreria de forma automática; assim, quase que num piscar de olhos (a final, é estabelecido que“ Ficam transportados”...), já se sabia de ante mão que isso não seria factível e que demoraria um certo tempo até que ela fosse totalmente concluída. Afinal, um procedimento dessa envergadura envolve a transposição de dados de milhares de servidores aposentados e de pensionistas do sistema informatizado do INSS para o sistema informatizado do Ministério da Fazenda; conferências devem ser feitas, o que exige tempo e pessoal qualificado. Mas, além disso, exige determinação e boa vontade, aspectos que, a nosso ver, não se fizeram presentes no Ministério da Fazenda de uma maneira geral. Nessa quase uma década, muitos foram os esforços movidos pela Agafisp visando sensibilizar o Ministério da Fazenda, através do diálogo, quanto à necessidade de implementar a referida norma legal. Muitas foram as visitas feitas àquele órgão, ofícios foram enviados, tanto aqui em Porto Alegre, como em Brasília. Algumas vezes tivemos promessas e a espectativa de solução, mas até o momento, nenhum resultado prático foi concretizado.
Anexo: agafisp-mar-mai-2017.pdf
 
+ Jornal

Ligações falsas em nome do presidente da ANFIP. Cuidado! -

Por telefone, associados têm recebido ligações em nome do presidente da Entidade, Floriano Martins de Sá Neto. Os

Inscrições abertas para 5ª Conferência do Fonacate -

As inscrições para a 5ª Conferência Nacional das Carreiras Típicas de Estado estão abertas e podem ser feitas até o d

Participe e venha para as Aulas de Artes da Agafisp - Começou a temporada 2018 das Aulas de Artes da Agafisp. A professora Madalena Spagnollo convida as associadas a particip

Presidente da Agafisp deseja aos associados uma Páscoa muito feliz - O presidente da Agafisp, José Amilton Vieira Freire, enviou hoje os votos de Feliz Páscoa aos associados da entidade e

Golpe: Precatório devolvido não necessita de novo advogado -

A ANFIP alerta, em especial aos herdeiros de associados, que escritórios de advocacia mal intencionados, tentando eng

+ Notícia

 
home | contato | localização | convênios
Rua Siqueira Campos 1171, 11º andar - Porto Alegre/RS - Telefone: (51) 3224-4355 - E-mail: agafisp@agafisp.org.br