Pesquisa Conteúdo:
   
 
INSTITUCIONAL
Histórico
Diretoria
Conselho Fiscal
Conselho Deliberativo
 
SERVIÇOS
Artigos
Convênios
Galeria de Fotos
Aniversariantes do Mês
Jornal Plantão Fiscal
Recadastramento
Restrito
 

"Não há equívoco maior do que confundir homens inteligentes com sábios
Francis Bacon
18/12/2017

Protesto de entidades traz carta aberta em jornal gaúcho

Um total de 25 entidades de servidores federais e estaduais lançou no final de semana uma "Carta Aberta aos Deputados Federais" criticando o andamento e as discussões da Reforma da Previdência, afirmando que o novo texto mantém "crueldades da proposta original". As entidades organizam e fazem parte da Frente RS em Defesa da Previdência Social e da União Gaú- cha em Defesa da Previdência Social e Pública. Conforme o auditor da Receita Federal e da diretoria da Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais da Receita (Agafisp), Vilson Romero, a emenda aglutinativa da PEC 287 que altera a Previdência Social mantém ataques aos servidores públicos e aos trabalhadores da iniciativa privada: "O governo não contou à sociedade e ao trabalhador que a aprovação da reforma trará imensos prejuízos para quem realmente trabalha no país". Entre as entidades que participam da frente estão a Afisvec, a Afocefe, a Ajuris, o Sindireceita, a Agafisp, Ugeirm, Unicon Sindical RS e Ceape-Sindicato. Elas alertam para a redução dos valores das aposentadorias e pensões e para a renda das famílias na velhice, com efeitos imediatos e "devastadores".

Leia carta na integra:

Senhores (as) deputados (as) federais:

A Emenda Aglutinativa da Proposta de Emenda à Constituição 287 (PEC), que altera a previdência social, apresentada em 22 de novembro é falaciosa!

As mudanças SÃO PALIATIVAS e o texto mantém os ataques e crueldades contra trabalhadores da iniciativa privada e do serviço público. O governo federal não contou à sociedade e ao trabalhador, em particular, que, se aprovada a famigerada reforma da previdência:

1. Quando ele se aposentar, não poderá acumular a pensão do esposo (a) ou companheiro (a) - com a aposentadoria, salvo até o limite de dois salários-mínimos, ou terá de abrir mão de um dos benefícios.

2. A pensão por morte que é hoje de 100% do salário de benefício do falecido se houver somente um dependente, será reduzida a 60%.

3. Um trabalhador com 24 anos trabalhados em condições insalubres não poderá contar este período para aposentadoria especial, enquanto um colega de trabalho com 25 anos nas mesmas condições poderá.

4. O governo quer igualar as regras dos regimes de previdência, mas exige 25 anos de contribuição dos trabalhadores do serviço público e 15 anos dos trabalhadores da iniciativa privada e a idade mínima de

65/62 anos, para ambos os regimes, irá aumentar a cada dois anos, passados cinco anos da reforma.

5. Os servidores públicos federais, admitidos após fevereiro de 2013, só recebem aposentadoria até o teto do INSS. Os que ingressaram antes, seguem pagando 11% sobre tudo o que ganham (em janeiro/18, passa a 14%), mesmo após a aposentadoria ou na condição de pensionista.

6. A reforma autoriza o sistema financeiro privado a administrar a previdência complementar dos servidores públicos estaduais, municipais e distritais.

7. O trabalhador rural será sim afetado pela reforma, pois o empregado rural será tratado da mesma forma que o urbano, mesmo com condições de trabalho muito mais precárias.

8. A aposentadoria por invalidez será de 70% e, somente no caso excepcional de acidente de trabalho, será

integral e a mulher com deficiência terá que cumprir o mesmo tempo de contribuição para se aposentar que um homem com deficiência.

9. O trabalhador terá de contribuir por 40 anos para ter direito a uma aposentadoria de 100% da média de todos os seus salários desde julho de

1994 ou, desde quando começou a trabalhar, se em data posterior.

10.A reforma não prevê qualquer aprimoramento da gestão previdenciária, no combate às fraudes, à sonegação e aos desvios de recursos da previdência, nem a revisão ou fim das isenções e desonerações tributárias ou quaisquer medidas de agilização na cobrança das dívidas de grandes empresas com a previdência.

CARO PARLAMENTAR! A NOVA PROPOSTA DE REFORMA SEGUE CRUEL E DRACONIANA!

REDUZ OS VALORES DAS APOSENTADORIAS E PENSÕES E A RENDA DAS FAMÍLIAS NA VELHICE, COM EFEITOS IMEDIATOS.

LEMBRE-SE QUE, EM 2018, TEM ELEIÇÃO! NOSSA ARMA SERÁ O TÍTULO DE ELEITOR!

VOTE CONTRA A REFORMA. DIGA NÃO À RETIRADA DE DIREITOS!

ADPERGS/ AFISVEC/ AFOCEFE/ AGAFISP/ AGITRA SINDICAL/ AIAMU/ AJURIS/ AMP–RS/ ANASPS – RS/ APERGS/ APMPA/ APROJUS/ ASJ-RS/ ASTC-RS/ CEAPE–SINDICATO/ SINAPERS/ SINDFAZ–RS/ SINDIFISCO-RS/ SINTRAJUFE-RS/ SINDIRECEITA-POA-RS/ SINPEF-RS/ SINPRF-RS/ SINPROFAZ-RS / UGEIRM/ UNACON SINDICAL-RS

Fonte: Anfip
 
+ Clipagem

ADEUS AO COLEGA ARISTEU - Faleceu neste sábado o colega e amigo Aristeu Penalvo Filho. O velório será das 10h30 às 17h no Angelus Memorial Cremató

Viagem ao Peru, com Festa do Sol Inti Raymi - Entre 20 e 30 de junho de 2019, os associados terão oportunidade de viajar ao Peru para conhecer algumas atrações turíst

Marcos Cintra é nomeado secretário da RFB - Foi publicado no Diário Oficial da União, desta quarta-feira (2/1), a nomeação de Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerqu

CLIPAGEM 27 DE DEZEMBRO 18 -

EXPEDIENTE DE FINAL DE ANO - A Agafisp não terá expediente nos dias 24 e 31, duas segundas-feiras que antecedem o Natal e Ano Novo.

+ Notícia

 
home | contato | localização | convênios
Rua Siqueira Campos 1171, 11º andar - Porto Alegre/RS - Telefone: (51) 3224-4355 - E-mail: agafisp@agafisp.org.br