Pesquisa Conteúdo:
   
 
INSTITUCIONAL
Histórico
Diretoria
Conselho Fiscal
Conselho Deliberativo
 
SERVIÇOS
Artigos
Convênios
Galeria de Fotos
Aniversariantes do Mês
Jornal Plantão Fiscal
Recadastramento
Restrito
 

"Um irmão pode não ser um amigo, mas um amigo será sempre um irmão.
Demétrio
03/04/2018

Cármen pede compreensão sobre resultados em "momento turbulento do Judiciário"

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, abriu nesta terça-feira a sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o qual também preside, com fala sobre o papel do Judiciário em momento descrito como "mais difícil e turbulento". O pronunciamento acontece a um dia do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo plenário do STF.

O tom da fala de Cármen se assemelha ao pronunciamento oficial feito na segunda-feira pela presidente do STF, que pediu serenidade para romper o quadro de violência e a intolerância com a divergência de ideias.

No CNJ, a ministra destacou o papel dos juízes que buscam "cada vez mais" instituições que atendam o "reclame da sociedade", frisando que os resultados nem sempre agradam a todos os lados. "Damos início a essa sessão para cumprir a nossa tarefa de contribuir para que o Judiciário brasileiro cumpra cada vez melhor o seu papel, que é de todos os juízes que vem atendendo as determinações constitucionais e fazendo com que nós tenhamos cada vez mais instituições que possam atender o reclame da sociedade, agora num momento talvez mais difícil, mais turbulento", iniciou Cármen.

Apelo

A fala é marcada por um novo apelo de Cármen pela "compreensão" da sociedade sobre o papel do Poder Judiciário, num momento em que os ânimos se acirram em função de decisões dos magistrados.

O STF vem sendo alvo de fortes ataques e críticas nos últimos dias, principalmente após a sessão em que concedeu uma liminar, no dia 22, para que Lula não seja preso até que a Corte finalize a análise do seu habeas corpus. "Que as respostas que estamos dando sejam rigorosamente cumpridas, qualquer que seja o entendimento, mesmo que contrário de alguém que não se sinta satisfeito com o resultado. Mas com a certeza de que estamos trabalhando para fazer com que a Constituição e Legislação vigorem", afirmou a ministra, que comandará a sessão desta quarta-feira, que deverá definir os próximos passos do ex-presidente Lula.

Cármen ainda frisou que os juízes agem com "quase nenhum espaço de discricionariedade", mas que espera "que a sociedade brasileira entenda que o Judiciário está trabalhando "exatamente no sentido de cumprir" suas atribuições. "E contribuir, portanto, para que a democracia brasileira se cumpra, com respeito ao direito de todos", emendou a ministra.

Fonte: cp
 
+ Clipagem

Latam passará a cobrar por marcação de assento em voos -

A Latam passará a cobrar, a partir de 16 de agosto, pela marcação de assentos nos voos. O valor será d

Jurídico da Anfip tem canal de comunicação exclusivo -

Associados agora têm número exclusivo para assuntos jurídicos

Visando a excelência no atendimento aos seus associad

ANFIP/Unimed: Campanha carência zero já começou -

Prazo para adesões vai até 1º de outubro. Solicite seu orçamento

Os interessados em fazer parte do plano de saúde A

ANFIP colhe assinaturas para emendas à PEC 293/04 -

A ANFIP e a Fenafisco já estão coletando as assinaturas necessárias para que emendas à PEC 293/04, que trata da refor

Associado da Anfip tem plano odontológico exclusivo - Com menos de um R$ 1,00 ao dia*, os associados da ANFIP podem conquistar segurança para toda a família.

A ANFIP fe

+ Notícia

 
home | contato | localização | convênios
Rua Siqueira Campos 1171, 11º andar - Porto Alegre/RS - Telefone: (51) 3224-4355 - E-mail: agafisp@agafisp.org.br